quinta-feira, 22 de julho de 2010

Meus heróis morreram de “overdose” (de talento)


Numa semana em que me entristeço com tantos fatos que se entrelaçam com o cotidiano da cidade e do país, tento destemperar a existência com os episódios mais recentes dos noticiários. E antes que alguém suponha que destemperar é abstrair, afirmo que não. É retirar o excesso, o que desequilibra. Casos de bullying em várias cidades. Assassinatos do lado de fora das janelas de nossas casas. Atos covardes em toda a parte. Crescimento do fundamentalismo religioso nos cenários do Poder Político. Intolerância gerando desamor sob vários graus. Oquidão dos seres que se coisificaram tanto que, de tão fúteis, nada restou.

Enfim, o cenário não é de chuva, mas também não é de céu de brigadeiro. É de realidade mesmo. Com toda a expressão de seus matizes.

Pensando nas coisas boas que me transportavam para os melhores anos, revisitei a memória à procura de coisas ou pessoas pra recordar. Lembrei dos cadernos de poesia que escrevia aos montes na adolescência. Lembrei das pilhas de livros que faziam parte de meu cardápio diário (literatura nacional e estrangeira). Engraçado, não sei por que mas adorava livros de auto-ajuda). Lembrei dos ratinhos brancos que criei. Lembrei da febre pelos álbuns de figurinhas, fosse qual fosse. Lembrei dos programas de rádio nas ondas curtas e das correspondências que recebia de amigos de várias partes do mundo. Como estarão hoje em dia? É apenas uma perguntinha retórica sem muitas pretensões...

Pois, então. Neste embalo saudosista, esta semana me lembrei com uma puta saudade dos 21 anos de partida do Laurinho Corona. Vivia meus idos de adolescente quando o vi partir. Era um ator carismático, sorridente e dotado de uma beleza que *#@! encantava a muitos, senão a todos. Excelente profissional, fez par com excelentes atrizes contemporâneas. Dancin’ Days (1978), era par da personagem de Glória Pires. Em 1984, se não me engano, fez o personagem Rodrigo em Bete Balanço, par romântico da personagem de Débora Bloch. Mas foi nas telenovelas que se destacou. Marina, Baila Comigo, Elas por Elas, Louco Amor, Corpo a Corpo e Direito de Amar. A última foi Vida Nova, de 1988, no papel de um imigrante português que namorava uma judia brasileira, interpretada por Deborah Evelyn. Além das novelas, gostava bastante do programa Globo de Ouro, que ele apresentava nos anos 80.

Laurinho foi uma das primeiras personalidades brasileiras a morrer de complicações decorrentes do vírus da AIDS. O personagem na novela Vida Nova teve um final apressado com uma viagem para Israel, por causa da doença do ator. A última cena mostrava um carro preto partindo numa noite chuvosa, ao som de um poema de Fernando Pessoa, declamado em off pelo próprio ator.

Os boatos de que estaria com AIDS surgiram em janeiro de 1989, quando pediu afastamento de Vida Nova, na qual era protagonista, alegando estafa. Voltou dois meses depois, muitos quilos mais magro e com uma visível queda de cabelo. Logo em seguida mudou-se para a casa dos pais, isolando-se até mesmo dos amigos. Quando o estado de saúde piorou, foi internado, mas os pais proibiram o hospital de dar qualquer informação à imprensa sobre o estado de saúde do filho.

Depois de nove dias internado, partiu... e se eternizou em nossa memória. Um ano após a partida de Laurinho, foi o poeta Cazuza quem partiu em condições semelhantes... Poderia parar por aqui, mas aqueles idos me deixou órfão de heróis vestidos de humanos talentosos. Um ano após Cazuza, foi a vez de Freddie Mercury, astro iluminado do Queen nos deixar...

As constelações foram aumentando sobre nossas cabeças e, paradoxalmente, se silenciando nos céus de nossos tempos, nos idos de minha adolescência e início de juventude...

Hoje, são todas elas (as constelações) mar de doces lembranças. Isso pra mim é reequilibrar o caldo da existência com bons temperos. Por mais que meus heróis tenham morrido de “overdose” de talento e por mais que meus atuais inimigos estejam no Poder, meu mais insistente desejo é sempre trazer à memória o que pode me dar esperança!




Notinha de rodapé:

Por falar em esperança, começaremos aqui no Rio de Janeiro, no projeto Betel, uma série de encontros com candidatos a cargos eletivos que defendem programas em prol da diversidade. O primeiro deles será o Jean Wyllys. Portanto, quem estiver pelo Rio, não custa aparecer na Praia de Botafogo, 430, 2º andar, domingo, 25/07, às 17h30. Apareça(m)! Quero dar um abraço nos meus leitores por lá!

25 comentários:

Dil Santos disse...

Oi Cardo, bom dia.
Tudo bem?
Menino, é super triste o que está acontecendo heim?
Ai Cardo, fiquei emocionado com seu comentário viu? Fiquei sem palavras, tá mentira, é difícil acreditarem nisso né? Então, quero que saiba q digo o mesmo pra vc, apesar de que nossos olhares ainda ñ se encontraram, mas meu coração já o encontrou. Tenho um carinho enorme por vc viu? Fiquei curioso numa coisa. Qual música vc cantarolou pra mim? rsrs Eu adoro música, sou meio q movido a ela, rs.
Um bjo enorme e um abraço apertado de alguém q te gosta muito.

RAFAEL disse...

Cara, vc não faz idéia de como sinto prazer em ler seus textos...

Admiro de tal forma o seu portugês, a sua forma perfeita e bela de escrever que me sinto lendo Machado de Assis.

Desculpe a rasgação de seda, mas é que me encanta ler textos bem escritos, objetivos...parabéns...

Qto a Lauro Corana, antes mesmo de vc citar a ultima cena dele em "Vida Nova" ja me veio a cabeça.

Lauro foi um ator que se fez pela beleza e muito mais pelo talento. Foi uma das grandes perdas para a cultura televisiva, teatral e cinematografica do nosso país.

Qto a Jean Wyllys, tenho nutrido certa antipatia por ele nos ultimos tempos. A postura que assumiu está demais arrogante. Agora sabendo que ele é candidato a Deputado federal, sinto dizer, a imagem foi maculada de vez...coisas minhas.

Abraço...e fico feliz com seu retorno ao blog.

Serginho Tavares disse...

Saudades de Lauro Corona. Um excelente ator que hoje em dia faz muita falta a tevê.

Beijão querido. Saudades³

[Farelos e Sílabas] disse...

===

Dil:

Bom dia, baianinho!
As coisas sempre mudam quando há bons dias!
O meu está começando. E porque começa, já é bom!
Todo o começo é um prelúdio do bom que virá...
Tudo o mais é recíproco, meu danado!
Quanto à música, não conto.
Segredos de liquidificador!
[Risos amigos e felizes]
Abraço recebido e
Retribuído!
Of course!

===

[Farelos e Sílabas] disse...

===

Rafael:

Rafinha, meu menino de mesma geração [rs]:

O teu sentir é algo que me intriga pela semelhança com o meu. Leio com fina observação as tuas letras, esbocejo sorrisos pelo ar em meio à caminhada- leitura [fiz assim com a identificação no sonho de ver a aurora boreal...], pareço me guiar por espaços conhecidos, tecendo encontros com um não-eu, posto que você é você [risos], mas tendo sob os pés poeiras muito familiares; às vezes, tão familiares que me ruborizam ante o que posso [me] ver ao ler [você], tal como é pra mim na leitura. E pra não assustar, apenas confirmo que isso tudo é bom. [Se é!] [Risos]

Amigão, outro lance é quanto à questão da fala do último parágrafo. Conheci pessoalmente o Jean há uns dois meses atrás numa palestra, pois temos uma amiga em comum. Fiz uma breve leitura do encontro, dizendo para amigos que senti um misto contraditório de adjetivos que prefiro não comentar por aqui. Não viria ao caso. Mas o convite em si é para o início de um projeto que pretende >>ouvir<< as propostas de quem assegura a necessidade de empenho em algumas temáticas no Parlamento. Ouviremos outros e outras, entre os quais, o ex-ministro do meio-ambiente, Carlos Minc, com quem estive há duas semanas atrás. Entendi o que disseste. Isto aqui é apenas um esclarecimento quanto ao que eu mesmo escrevi, ok?

E para constar [aos que me lêem], tenho uma relação aproximada com a política, mas não sou filiado a nada. Não quero. Sinto-me vestido de uma puta consciência que me impulsiona a não me calar. Só isso. Particularmente, tenho me indignado com o avanço do fundamentalismo religioso no âmbito político porque parei de meninices e discerni que são meus inimigos sim, que militam contra interesses de uma parcela da população da qual faço parte, que fazem/farão de tudo para me ver a mim e a meus iguais, se possível, em colônias na Amazônia daqui a uns trinta anos, se eu me calar de vez! Na Câmara, eles tomaram conta não apenas da CCJ como da Comissão que analisa o tão esperado projeto do Estatuto das Famílias. É lá que as maiores aberrações estão criando e que me afetam!

Não posso me calar. Aliás, tenho me calado raras vezes quando ouço/leio coisas assim. Meu envolvimento “político” se dá dentro dessa perspectiva. Sem militância, pois não curto fundamentalismo de nenhuma forma, porém com consciência de meu papel cidadão.

[Voltando ao Rafa], segue aqui a gratidão e o respeito pelas palavras e pelo abraço que também é sempre bem-vindo!

===

[Farelos e Sílabas] disse...

===

Serginho:

E não é que faz falta!?
Putz... muita!
Saudades,
Nossas!
Sempre!
Beijão!

===

Dil Santos disse...

Ai Cardo que maldade a sua fazer isso comigo. Estou aqui hiper, mega, ultra curioso e vc me vem com um copo de ácido sulfúrico, ai q coisa chata. Eu desse jeito já fico imaginando coisa kkkkkkkkkkkk
Faz assim, me manda por e-mail então, pode ser?
betosantos223@hotmail.com
um bjão meu carioquinha

Edilson disse...

Oi querido Ricardo:

Linda a postagem. Eu gostava bastante do Lauro Corona, era bem criança na época que ele morreu mas lamentei o ocorrido. Ele até hoje é lembrado com carinho e saudades. Linda semana e parabéns por sua delicadeza em lembrar de coisas tão especiais. Abraços.

Mãezinha disse...

Bom dia, meu filho querido e muito amado (hijito)
Pôxa quanta coisa bonita que você escreveu depois de tanto tempo sem aparecer neste programinha tão visitado pela mãezinha.
Todos os dias eu chegava para ler as novidades e cadê meu filhote.

Fiquei impressionada também com o comentário do "Rafinha", o "menino" da sua geração.
Realmente ele tem toda razão em gostar de te ler e admirar o seu português que é limpo e verdadeiro, com relação a expressão, gramática, enfim você é perfeito na escrita.

Nós temos tantas coisas em comum que me impressiono até hoje quando lembro que a cegonha não te entregou na casa certa, pois a encomenda era para Belo Horizonte e ela errou o caminho e foi direto para o Rio de Janeiro onde sua mãezinha Isabel já te esperava com muito carinho...

Não tem importância pois sempre que te leio, te vejo nas fotos eu me conformo e fico daqui torcendo e pedindo ao Papai do Céu para te abençoar sempre, infinitamente.

O assunto do seu texto falando do Laurinho me emocionou porque eu não perdia uma novela onde ele era o ator.
Ele foi cedo demais, mas deixou tanta coisa bonita, tanto carinho, pois o carisma dele era impressionante.

Meu filho, depois eu leio o outro texto e mais tarde comento, ok? Vou me arrumar para ir ao cardiologista.
Um beijo grande, do tamanho do mundo!

Termino com a letra de uma música italiana que amo cantar: L'arca Di Noé.

Un volo di gabbiani telecomandati
e una spiaggia di conchiglie morte
nella notte una stella d'acciaio
confonde il marinaio
strisce bianche nel cielo azzurro
per incantare e far sognare i bambini
la luna è piena di bandieri senza vento
che fatica essere uomini
partirà.

HSLO disse...

Você sempre me fascina com seus escritos, sou um eterno apaixonado pela sua escrita.

Estou com saudades de sua presença em meu blog.


abraços
de luz e paz

Hugo

Alberto Júnior disse...

Lauro Corona absolutamente é o rosto mais bonito da televisão brasileira das últimas quatro décadas. Digo isso mesmo sem ter acompanhado sua carreira no seu auge.Mas o pouco que vi, foi o bastante.
Juntando ele a Lídia Brondi, teremos o casal que encantou gerações.
Além de ter sido um grande ator.

Vanessa Monique disse...

Cazuza,era tão bonito,pena q foi se acabando.
Poeta de mão cheia,pq os versos da música dele são isso mesmo.
E nossa olha a Aracy bem novinha na foto.
@vanimonique
:*

Cris disse...

Depois de algum tempo fora do ar...de volta....rs. De volta, até a próxima ida!
Na semana passada estava conversando com meu filho sobre vários artistas, personalidades que morreram por causa da AIDS. Lembro-me do caso do Lauro e Cazuza...nem se fala.
Sempre penso: se eles tivessem resistido um pouco mais. Só mais um pouco...o AZT veio logo depois. O coquetel poderia tê-los mantido até hoje.
Prepotência pensar assim, mas é inevitável.
Formas diferentes de agir: Lauro, preferiu a solidão com os mais próximos e morreu em silêncio.
Cazuza, anunciou cada morte que morria e mostrava a cara que encarava a morte quanto mais ela chegava.
Diferentes, mas ambos mostrando o coração e o talento. Mais que isso: mostrando como é frágil a vida, mesmo quando somos guerreiros.

Um beijo pra vc!

Dil Santos disse...

Menino, kd tu?
Bjo

Marcio Nicolau disse...

Adorei o blog!! Voltarei com mais calma em seguida.

Convite: www.espacointertextual.blogspot.com
Visite-me.

Menino-Homem disse...

você
sabe fazer o texto dançar
dentro da gente... é uma fome, é um gosto bom que escorre da alma...

adoro aqui,
e suas lembranças são nobres e contadas em dó maior...!

um beijo,
Jesus te ilumine!

do homem-menino

e saudades

Marcio Nicolau disse...

Uma alegria, apesar de tudo, ler tuas palavras. Mesmo vírus que eu sugiro que você contraia: o da alegria. Porque os astros mencionados (estrelas luminosas, cadentes) foram sim ( e continuam sendo) uma overdose de alegria sobre a Terra.

Voltarei mais vezes. Visite-me quando quiser.

[Farelos e Sílabas] disse...

===

NESTE RETORNO...

Olha só quanto de vocês por aqui, sempre me parando nas leituras (sim, eu paro ainda que não me peçam... não consigo permanecer inerte diante de um olhar atento), sempre me provocando re-AÇÕES!...

Eu re-AJO, como re-TORNO, e re-COMEÇO, como quem volta casado com suas amantes-palavras, palavras-amantes...

Vejo nas letrinhas de muitos os sons e os sabores da presença, da saudade, da lembrança. Que Bem me faz!

Hugo, Mãezinha, Edilson, Serginho, Rafinha, Dilzinho, Vanessa, Cris... quantos sabores BONS!

E quanto aos frutos que não provei, mas aprecio neste instante, Alberto e Márcio, a leitura me convidará aos resultados! Que BOM que é possível conhecer mais e mais frutos!

Estou voltando, na palavra, me segurem...

===

[Farelos e Sílabas] disse...

===

Menino-homem:

Veja que nota dá uma saudade em si bemol! Coisa de louco, mas é no delírio que a idéia faz as maiores travessuras com a palavra! Nem neologismo agüenta tanta @#&*!...

Debaixo do Guarda-sol do Amor do Todo-amor, eu te estendo a mão: vem semear também, vem!

Saudades [sinfônicas] daquelas GRATAS!

===

[Farelos e Sílabas] disse...

===

Dilsinho

Tô o tempo todo do lado de dentro, não me sentiu?... Como é possível?

Um beijo, meu amigo!

===

[Farelos e Sílabas] disse...

===

Ai, mãe... quanta coisa em comum não temos!?

Você é goiabada e eu, queijo...

Beijo pela delícia que és!


P.S.: O italiano tá que tá um show... eu soube das notas! Piu bella! Pudera...

===

[Farelos e Sílabas] disse...

===

Marcio Nicolau:

Combinado, então. Farei um cafezinho.

Quando voltar, senta, demora e toma...

GRATO.

===

[Farelos e Sílabas] disse...

===

AVISO DA NOITE:

Queridões:

Agora preciso dormir, contar carneirinhos e confundi-los com as estrelas no meu firmamento...

O re-TORNO é sempre aprazível... é como o convite para o descanso...

Amanhã a gente saboreia mais um pouco a felicidade do re-ENCONTRO!

Vou agora me despedir dos leitores nas praias do twitter! Inté!

===

Daniel Savio disse...

Mesmo que os nossos heróis acabei indo, eles nos deixam um legado, ai temos de manter este legado vivo, mas não só relembrando, mas vivendo o que eles nos mostraram...

Fique com Deus, menino.
Um abraço.

Liza Leal disse...

Olá!
Invadi seu espaço e em questão de segundos me toquei da sensibilidade q aqui pulsa.
O texto é tocante.

Adorei!

bjo
da
LizA
=)

Related Posts with Thumbnails